Outubro, praia e cidade / Octombrie, plaja si oras

 

( In romaneste, mai jos )

Ainda aproveitamos ao máximo este tempo de verão com temperaturas máximas de 32ºC, que para a nossa cidade, Aveiro nem no verão temos. Infelizmente isso não é bom para o nosso planeta, pois as estações estão todas trocadas e neste momento há muitas terras que precisam de chuva…

No sábado, os meninos foram com o pai a praia desde manhã e eu fui juntar-me a eles depois do almoço, estava realmente um dia fantástico, quentinho mas não em demasia, como há poucos dias no verão. Para variar, o André passou o tempo todo na água, e o Diogo a brincar com os animais da Playmobil na areia e a criar histórias. 🙂 Á noite, caíram cansados na cama depois de jantarem sopinha e fruta, para ficarem hidratados depois de tantas horas ao sol.

Hoje, tínhamos planeado para partilharmos o almoço num piqunique, chamado também de Piqueniqueternura, com o grupo do qual fazemos parte, e que se reúne regularmente no espaço cedido pela Maternura (um centro de infância em Ilhavo, cujas instalações têm um quintal enorme atrás, e onde as crianças têm a liberdade de serem crianças). O evento acabou por não se realizar, por doença / virose de várias pessoas implicadas, mas se quiserem espreitar e participar da próxima vez , podem faze-lo aqui. Trata-se de um grupo informal que nasceu de dois movimentos de cidadãos inspirados no movimento das Transition Towns, o Mães de Transição e o Aveiro Em Transição. Numa sinergia entre estes dois movimentos, surge então o grupo local Famílias em Transição Aveiro, que procura estreitar e potenciar os muitos pontos em comum dos dois conceitos: a partilha, a sustentabilidade e qualidade de vida das famílias.

Com esse evento cancelado, acabamos por almoçar em casa, as nossas batatinhas assadas com grão de bico ( uma receita antiga , mas melhorada com o grão de bico e no forno ficam crocantes e saborosas), quinoa com cenoura, passas e caju e uma enorme salada. Também tinha feito um bolinho para levar e partilhar no piquenique, mas que serviu de lanche cá em casa. A receita tirei do site da minha amiga Maria de Lurdes Feitor Carapelho – Bolo de coco. A receita é bastante simples :

3 cháv/xícaras de farinha de trigo – usei farinha de aveia
1 1/2 cháv/xícaras de açúcar – substitui por mascavado e apenas 1/2 chávena
1 e 3/4 cháv/xícara de leite de coco
1/3 de cháv/xícara de óleo – coloquei óleo de coco
1 colher de sopa de fermento
coco ralado (para a massa e a calda)

O bolo ficou bestial, palavras do Diogo! 😛

A tarde fui sair com os meninos até ao parque de Aveiro onde fomos passear e ver os patinhos e os peixinhos a serem alimentados pelas pessoas com pão ( pessoalmente acho que deveria ser proibido, pois não sei se o pão branco é alimento adequado para patos e peixes… para não falar que alteram o ambiente e a alimentação dos mesmos ).

Depois, ainda fomos ter com outros amigos nossos, colegas e amigos da escola dos meninos e que convidaram as crianças a fazerem parte de um pequeno filme que vai promover um produto a ser desenvolvido para os pequenos ciclistas urbanos. Aveiro, por natureza é uma cidade plana e tem as famosas BUGAS, as bicicletas gratuitas que qualquer turista pode alugar a custo “0”. A cidade tem muito potencial e é por causa disso que a Joana Ivonia , uma das fundadoras da Lanterne Rouge, e do Ciclaveiro ( inserido também no movimento Aveiro em Transição), incentiva os cidadãos e as crianças a utilizarem a bicicleta nas deslocações diárias entre casa e o trabalho/escola ou na ida às compras / passeio. O Sebastião, o filho da Joana, vai praticamente todos os dias de bicicleta para a escola, juntamente com o grupo de outras crianças da escola que aderiram a campanha Serpente Papa-Léguas – Jogo da Mobilidade, criada para incentivar as viagens sustentáveis nas idas para a escola. Infelizmente a nossa localização não permite aos nossos meninos se juntarem á Serpente, mas adoram andar de bicicleta, recentemente sem rodinhas e cada vez mais confiantes.

E assim passou-se mais um fim de semana, com muitas horas ao ar livre, aproveitando o bom que temos em Portugal : o tempo, a praia, a cidade, os amigos! 🙂

 

Inca profitam la maxim de timpul de vara pe care il avem in octombrie, cu temperaturi care au ajuns la 32ºC aici la noi in oras, unde nici macar vara nu sunt asa de ridicate. Din nefericire, nu este bine pentru planeta, nu mai avem anotimpuri si lipsa ploilor se simte, pamantul fiind din ce in ce mai uscat…

Sambata, cei 3 baieti au fost la plaja de dimineata, iar eu m-am alaturat dupa pranz, era o zi splendida, cald dar nu foarte tare, si fara vant, cum sunt putine zile vara. André, bineinteles a stat tot timpul in apa la balacit, iar Diogo si-a luat animalele Playmobil si a inventat povesti cu ele pe nisip. 🙂 Seara au cazut obositi in pat dupa ce au mancat supa si fructe, pentru o buna hidratare dupa atatea ore la soare.

Astazi aveam in plan sa facem un picnic la pranz cu un grup de alte familii din care facem parte si care se reuneste o data pe luna in curtea cu spatiu verde al unei gradinite de aici din apropiere. Este un grup de suport / ajutor al mamelor cu copii care face parte dintr-o miscare Aveiro in tranzitie (care la randul ei face parte din miscarea mondiala a oraselor “in tranzitie”  cu obiectivul de a evolua spre un oras mai curat si auto-sustentabil).

Nu s-a mai realizat picnicul, diverse persoane erau bolnave asa ca am mancat acasa. Am facut cartofi la cuptor cu naut ( reteta mai veche aici in casa, dar acum imbunatatita cu boabele de naut care la cuptor devin crocante si delicioase). Am facut si quinoa cu morcov, caju si stafide si o salata mare. Facusem si o prajitura sa o iau cu mine la picnic, dar a ramas pentru noi ca si desert si gustare. Reteta este destul de simpla, asa cum imi place mie 🙂

Prajitura de cocos

3 cani de faina  – am folosit de ovaz
1 1/2 cani de zahar – am inlcuit cu zahar brun si doar 1/2 cana
1 3/4 cani de lapte de cocos
1/3 cani de ulei  – am pus ulei de cocos
1 lingura de praf de copt
cocos ras (pentru compozitie si glazura)

Am pus toate ingredientele la robot, apoi la cuptor pre incalzit, la 180ºC pentru 45 de minute. Glazura am incalzit lapte de cocos cu fulgi de cocos si am pus pe deasupra. Prajitura a iesit bestiala, cuvintele ii apartin lui Diogo! 😛

Dupa pranz am scos baietii din casa si ne-am dus in parcul orasului unde ne-am plimbat si am vazut cum lumea alimenta la greu pestii si ratele cu paine ( parerea mea personala este ca ar trebui interzis, deoarece nu stiu daca painea este un aliment potrivit pentru rate sau pesti si le modifica ambientul si alimentatia lor naturala..)

Apoi ne-am dus sa ne intalnim cu un alt grup de prieteni, colegi si prieteni de scoala ai baietilor, care i-au invitat sa faca parte dintr-un filmulet care va promova un produs utilizat de micii ciclisti urbani. Aveiro este un oras plan, unde turistii pot inchiria gratis biciclete pentru a parcurge traseele pe doua roti. Orasul are mult potential si de aceea, prietenii nostri, un cuplu cu un copil, disigneri ca si profesie, au diverse proiecte legate de mobilitatea urbana. Unul dintre ele se numeste Sarpele si reuneste un grup de copii insotiti de adulti care fac parcursul zilnic casa – scoala cu bicicleta. Din pacate, locatia noastra nu ne permite sa ne alaturam lor, dar baietii nostri au descoperit de curand o noua pasiune, mersul pe bicicleta, mai ales de cand au invatat sa mearga fara rotite si au castigat incredere in ei.

Si uite asa a trecut inca un week-end, cu multe ore petrecute in aer liber, profitand la maxim de ceea ce avem bun in Portugalia : vremea, plaja, orasul si prietenii! 🙂

Anúncios

E os meninos, o que comem – a fruta / Si cei mici ce mananca- fructele

 

Sejamos sinceros, as crianças( e não só) adoram o sabor doce. E porque não, em vez de lhes darmos as porcarias todas processadas e cheias de açúcar artificial ( I´ve been there, não se preocupem, os meus também comeram papas Cerelac e iogurtes “de fruta”, numa altura da vida que eu catalogo como Antes 🙂 ), cultivarmos o gosto, o prazer de saborear uma bela peça de fruta? Há pais que dizem : os meus filhos não gostam de fruta. E eu pergunto : e vocês, gostam? comem todos os dias a frente deles? têm sempre fruta em casa e de fácil acesso? deram-lhes para experimentarem várias vezes, sem os obrigar, nem pressionar?

Cada um dos meus tem as suas preferências e as suas fases, tal como nós: o André adora bananas a qualquer hora e em qualquer lugar! O Diogo sempre gostou muito de maças. Agora nos fins de semana, estão os dois numa fase de adoração pelas nectarinas e pelas ameixas. O melão e a melancia foram os preferidos mais no início do verão, agora dou-lhes principalmente em batidos, com um pouco de água e umas folhas de manjericão ou hortelã. Apareceram as uvas, tenho de as compras aos kilos, pois comem-se praticamente de um dia para o outro. O André também adora manga. O Diogo, os mirtilos. Os morangos são os preferidos dos dois (mas é preciso ter cuidado, pois são das frutas que mais pesticidas têm se não forem biológicas). As outras, ditas normais, de outono, inverno – maças, pêras, laranjas, também marcham sempre, embora são consumidas quando já não temos das outras, ou nos lanches da escola, geralmente não sujam tanto com as outras.

Em relação ás quantidade, a Organização Mundial da Saúde recomenda pelo menos 3 peças de fruta por dia, os meus se calhar comem 3 peças de uma vez só, num dos lanches. O que é que será mais saudável como uma dádiva como esta que temos da natureza, deliciosa e pronta a consumir?

Noto também uma grande preocupação das pessoas em geral, com o açúcar das frutas, mas esquecemos que é um tipo de açúcar que o nosso corpo reconhece e facilmente aceita, o mesmo não acontece com o outro tipo de açúcar industrializado.

Há também o habito de comer a fruta como sobremesa, com o qual não concordo nada e tenho aprendido mais sobre isso no curso que estou a tirar. A fruta e os vegetais crus são os alimentos mais fáceis e rápidos de digerir pelo nosso estômago. Por isso, devíamos começar a jantar / almoçar uma(s) peças de fruta, e passada meia hora, comer a comida. O que é que nos é dito sobre a digestão, que demora cerca de 3 horas, certo? Bem, há alguns alimentos, como a carne, por exemplo, que podem ficar no trato intestinal até 24h. Então, se nos comermos a fruta em cima de qualquer comida que ainda está no estômago, o que é que acham que vai acontecer? Vai fermentar e causar mal estar.

Outras pessoas dizem : mas hoje em dia, tudo é contaminado, a fruta e os vegetais estão cheios de pesticidas. Infelizmente, é verdade. Mas como diz o Dr. Robert Morse, naturopata há 40 anos e criador do curso base de detox, não há dúvidas que o melhor alimento para o ser humano são as frutas e os vegetais, agora a qualidade delas é que nos devia preocupar. Nem sempre é possível comprar biológico, mas isso não nos devia impedir de lavar com água e vinagre de sidra e consumir na mesma as frutas e os vegetais. É melhor do que não consumir de tudo.

Em conclusão, o que eu tento fazer em relação a alimentação cá de casa, é comermos fruta e vegetais em abundância, crus e cozinhados, cereais de preferência sem glúten, leguminosas, nozes, cajus, amendoins com moderação.

 

Haideti sa fim sinceri, copiilor (si nu numai lor), le place mult gustul dulce. Si de ce nu, in loc sa le dam tot felul de porcarii procesate si pline de zahar industrialzat (I´ve been there, sa nu credeti ca ai mei au scapat de la acest proces, au fost si ei “indopati” din nestiinta mea, cu tot felul de “minunatii”), sa cultivam gustul, placerea de a savura un fruct? Cunosc parinti care imi spun : copiilor mei nu le plac fructele. Si eu intreb : si voua, va plac fructele? mancati in fiecare zi in fata lor? aveti tot timpul acasa fructe si in locuri de usor access pentru copii? le-ati dat diverse fructe de mici, fara sa se simta obligati, nici presionati (adica fara sa le dam direct in gura, “sa manance tot”) ?

Fiecare persoana are preferintele si perioadele specifice, asa e si cu cei mici. Aici in casa, lui André din totdeauna i-au placut bananele, la orice ora si in orice loc! Lui Diogo, in schimb merele. Acum, in special in week-enduri, sunt amandoi intr-o faza de adoratie pentru nectarine si prune. Pepenele rosu si galben au fost printre preferate, mai pe la inceputul verii, cand au aparut aici, acum mananca in smoothie, cu putina apa si cateva frunze de menta sau busuioc. Au aparut strugurii acum, trebuie sa ii cumpar cu kilogramele ( si aici sunt destul de scumpi, intre 1,50-2€), pentru ca dispar primii, dupa o zi pe alta. Lui André ii place mult mango. Lui Diogo, afinele. Capsunele sunt preferatele la amandoi (dar trebuie sa avem grija, pentru ca au cel mai mare nivel de pesicide daca nu sunt bio). Celelalte fructe, sa le spunem, normale, de toamna, iarna – mere, pere si portocale, merg si ele mereu, dar cum sunt mai rezistente, le mancam cand se termina celelalte. Sau la pachetele de la scoala, nu murdaresc asa mult / nu lasa atata zeama ca celelalte. 

 

In legatura cu cantitatile, Organizatia Mondiala de Sanatate recomanda cel putin 3 fructe pe zi, ai mei cred ca mananca 3 de o data, la o gustare. Ma intreb eu ( si multi altii), ce poate fi mai sanatos decat asa un dar pe care natura ni l-a lasat la dispozitia noastra, delicios si gata de consum?

Deasemenea observ multa grija in general cu zaharul de la fructe, dar uitam ca doar acest tip de zahar corpul il recunoaste si il accepta usor, acest lucru nu se intampla cu celalalt zahar, procesat sau fabricat artificial.

Exista, de asemenea, obiceiul de a consuma fructele ca desert. Nu sunt deloc de acord, acum ca incep sa invat mai multe la cursul pe care il frecventez. Fructele si legumele sunt alimentele cel mai usor de digerat de stomacul nostru. Din acest motiv, ar trebui sa incepem cu fructele masa noastra ( daca dorim sa mancam fructe la masa), sa asteptam jumatate de ora – o ora si apoi sa mancam mancarea propriu-zisa. Ce ni se spune despre digestie, in general, ca dureaza circa de 3 ore, corect? De fapt, exista alimente greu de digerat de corpul nostru, cum ar fi carnea, de exemplu, care poate sa stea si cate 24 de ore in tubul intestinal. Si atunci, imaginati-va, daca mancam fructele peste mancare, ce se intampla? Fermenteaza si ne provoaca disconfort.

 

Mai aud critici de genul : totul este contaminat in zilele noastre, fructele si legumele sunt pline de pesticide. Din pacate, este adevarat. Dar, cum zice Dr. Robert Morse, naturopat de 40 de ani si creatorul cursului de baza de detox, nu exista indoieli ca cele mai bune alimente pentru fiinta umana sunt fructele si legumele, doar calitatea lor ar trebui sa ne preocupe cu adevarat. Nu e posibil sa cumparam mereu bio, dar asta nu ar trebui sa ne impiedice sa le spalam bine cu apa si otet si sa le consumam. E mai bine decat sa nu consumam deloc.

In concluzie, ce incerc eu sa implementez aici acasa cu alimentatia, sa mancam din abundanta fructe si legume, crude si gatite, cereale de preferinta fara glúten, leguminoase, nuci, caju, alune cu moderatie.

Estufado de leguminosas / Un fel de tocanita de fasole

Quando o tempo começa a arrefecer, apetece-me comer sopas e estufados. Não todos os dias, porque os estufados em particular, enchem muito. Esta semana descongelei um saco de feijão frade (para evitar usar as leguminosas em frasco cheias de conservantes, tenho comprado cruas, demolho de um dia para o outro, depois cozo tudo de uma vez e guardo em saquinhos no congelador), usei estes dias em saladas, mas guardei também para fazer este estufado. E como hoje, sendo 6ª feira não existe a pressa das rotinas com os meninos cá em casa, dediquei-me a cozinhar!

Numa frigideira, comecei com pouquinho de azeite e água, cebola picada, pimentos amarelos e vermelhos picados, cenoura ralada, meia courgete cortada em cubos. Depois de apurar um pouco, juntei um tomate caseiro maduro, um dente de alho e o feijão frade já cozido para ir ganhando sabor. Deixei apurar bem, assertei de sal e por fim acabei de juntar umas belas folhas de espinafres.

Eu e o meu marido gostamos muito deste prato, já tinha saudades dele, pois já não o fazia há uns bons meses. E costuma ficar bom com qualquer tipo de leguminosa, o meu preferido deve ser com grão de bico. Os meninos escolheram jantar sopinha, tinha para eles um creme de cenoura que tinha sobrado de ontem. Também comeram bolo do aniversário do Donald que fizemos juntos quando chegamos a casa da escola! (vou fazer um post separado com os “doces” sem açúcar, nem farinha, nem ovos que já se tornaram tradição cá de casa e que fazemos sempre juntos! 😉 ).

Bom apetite!

 

Cand incepe sa se racoreasca afara, mi se face pofta de supe si tocanite. Nu in fiecare zi, pentru ca, tocanita e mai grea pentru stomac. Saptamana asta am decongelat um saculet de fasole (cred ca se numeste “cow peas” in engleza soiul asta) – ca sa evit consumul de fasole la borcan plina de conservanti, cumpar uscata, o las la inmuiat de pe o zi pe alta, apoi o fierb pe toata si o portionez in saculeti pe care ii pastrez la congelator. Astazi, cum era vineri, si eram mai relaxata cu rutinele celor mici, am hotarat sa ma dedic bucatariei. 

Intr-o cratita gen Teflon, am inceput cu putin ulei de masline si apa, ceapa tocata marunt, ardei rosu si galben taiati mici, 1 morcov ras, dovlecel taiat in cubulete. Le-am lasat putin pe foc mic, apoi am adaugat o rosie mare de casa coapta tocata si ea cubulete mici, un catel de usturoi si fasolea. Le-am mai lasat putin pana s-a desfacut si rosia, am dres de sare si am aruncat si niste frunze de spanac. 

Mie si lui Rui ne place mult aceast fel de mancare si deja ni se facuse dor de el, cred ca au trecut cateva luni bune de cand nu il mai pregatisem. Se poate face cu orice fel de leguminoase, mie imi place in mod special cu naut. Cei mici au hotarat sa manance supa crema de morcov, care mai ramasese de aseara. Si deasemenea au mancat si Tortul de ziua lui Donald pe care l-am pregatit impreuna cand am ajuns cu ei de la scoala! (o sa fac un post separat despre dulciurile fara zahar, faina sau oua, care deja au devenit traditie aici in casa si pe care le pregatim impreuna 😉 )

Pofta buna!

 

Pimentos Padron / Ardei tip Padron

I did it again! 🙂 Voltei a cozinhar. As coisas que me tem apetecido. Se ontem foram as batatas assadas no forno, hoje queria experimentar fazer os pimentos padron e o feijão verde salteado.

Parece pouco, eu sei, especialmente para quem está habituado a comer como um bom português, mas garanto-vos que é uma questão de habito. Comi metade dos pimentos e o feijão todo e depois bebi o sumo e garanto-vos que fiquei de barriga cheia. Quando comecei a cozinhar confesso que estava com fome, mas com umas amendoas e alguns alperces secos e fiquei bem. Mas se quiserem, podem sempre fazer um arroz de tomate, por exemplo para acompanhar, deve ficar bom. Que acham?

Então, como sempre, é tudo muito fácil de fazer : comecei por dar uma cozedura rápida ao feijão verde. Enquanto estavam a cozer, fiz os pimentos : numa frigideira, em lume médio, um pouco de azeite e quando o azeite estiver quente atiramos os pimentos lá para dentro, um dente de alho (deixei-o inteiro para não queimar) e sal grosso. Tapei e fui mexendo. Quando ficaram mais ou menos moles, não cronometrei, mas se calhar, uns 10 minutos, retirei-os para uma travessa e coloquei o feijão verde. Mais umas mexidelas e desliguei o lume.

Para o sumo lavei, cortei e coloquei na máquina de sumo (e não na liquidificadora) os legumes ( uma beterraba com folhas, 1 pepino quase inteiro e 2 cenouras) e as maças.

O jantar está servido e também temos um copo de vinho branco fresquinho para quem aprecia! 😉

 

I did it again! 🙂 Am gatit din nou astazi! Ce mi-a fost pofta. Adica ardei verzi mici, o specie numita Padron si pregatiti dupa o reteta spaniola (Pimientos Padron fac parte din listele de tapas din restaurantele din Spania). Si aveam si niste fasole verde in frigider si am zis sa fac 2 in 1.

Pare putin pentru o masa de seara, stiu, in special pentru cine este obisnuit, ca aici in Portugalia de exemplu sa manance o masa completa ca la pranz. Sau pentru infometati, cei care nu au mancat de multe ore si apoi se aseaza la masa si mananca un elefant. Si mie imi era deja foame cand m-am apucat sa gatesc, dar am ciugulit niste migdale si cateva caise uscate si am fost ok. Dar puteti sa faceti pe langa legume, alceva usor, ca de exemplu un orez cu rosii (se face mult aici in Portugalia si e delicios, cred ca portughezii nu reusesc sa supravietuiasca fara orez – au o mie si una de retete, o sa public intr-o zi). Sau in loc de orez niste cartofi taiati cuburi fierti si apoi caliti impreuna cu legumele, ar fi alta ideie.

Asadar, cum am pregatit : mai intai am pus fasolea verde la fiert. In timp ce fierbea, intr-o cratita am pus putin ulei de masline(atentie, putin ulei pentru ca nu prajesc doar sa nu se arda cratita si sa ia gust) si dupa ce s-a incalzit, am aruncat ardeii, un catel de usturoi intreg sau taiat jumate, ca sa nu se arda, sare grujoasa si am dat focul mediu. Am acoperit si am amestecat din cand in cand timp de vreo 10 minute (nu m-am uitat la ceas). Cand au inceput sa inmoaie, ca cei din poza, i-am scos si am pus fasolea verde, am amestecat-o si pe ea de cateva ori si gata!

Sucul l-am facut la aparatul de facut suc ( si nu la blender) : o sfecla rosie cu tot cu frunze, 2 morcovi, un castravete aproape intreg si 3 mere.

Masa este gata, sunteti invitati cu totii, iar pentru doritori avem si un pahar de vin alb rece! 😉

E quando cozinho? / Si cand gatesc?

Acreditam que aqui em casa a salada é uma refeição indispensável todos os dias? Sim, disse refeição e não acompanhamento! 🙂 Ao almoço tem sido o prato principal, as vezes também com grão de bico ou um ovo cozido (se tiver das galinhas da minha sogra). Porque temos comido todos os dias, porque nos sabe bem e porque já não podemos passar sem salada.

Uns dos meus primeiros posts era sobre a fruta e como sabia que tinha de ir comprar mais quando só havia meia duzia de laranjas e maças, podem ler mais aqui. O mesmo se passa com a salada, simplesmente a alface não pode acabar aqui em casa! Também já escrevi aqui onde compro os legumes, por acaso os de hoje encomendei-os ao senhor de Sever de Vouga que vende biológicos.

As vezes sinto a necessidade de acompanhar a salada com alguma coisa quente e o que me tem apetecido mais são as batatas assadas! Mesmo muito fácil de fazer, rápido não posso dizer pois estiveram 1 hora no forno. Mas dá para orientar outras coisas entretanto.

Então, como é que fiz: num tabuleiro de ir ao forno, coloquei as batatas de assar lavadas e com casca, piquei-as com um garfo. Temperei com pouco azeite, sal grosso, pimento, pimentão, pimenta cayenne, louro, oregãos secos e pouquinho alecrim seco. Também esmaguei 3 dentes de alho e envolvi tudo com as mãos, garantindo que todas as batatas ficaram cobertas pela “marinada”. Depois foram ao forno durante aproximadamente 1h a 170 graus.

Sinto-me tão bem quando faço este jantar, saciada mas leve ao mesmo tempo e é isso que se quer de uma refeição ao fim do dia, que não nos sobrecarrega o corpo para a noite! 😉

 

Ma credeti ca Salata este aici acasa un fel de mancare si nu o garnitura? Indispensabila in fiecare zi de la noi din meniu. De obicei la pranz facem un castron mare plin si cam umplem 2 farfurii de fiecare. O putem face mai consistenta daca adaugam naut fiert sau eventual un ou fiert (daca am acasa de la gainile de curte ale socrilor mei, alftel nu am mai cumparat de mult). 

Ziceam in una din primele publicatii despre unde cumpar fructele ( aici – inca nu a fost tradus), ca atunci cand nu mai am decat cateva portocale si mere ratacite, inseamna ca e nevoie urgenta de mers la cumparaturi. Pentru ca, atat fructele cat si legumele sunt pentru noi alimente de baza. La fel si cu salata, nu lipseste niciodata din frigider. Am alt post despre unde cumpar legumele (aici – inca nu a fost tradus), cele de astazi sunt de la un profesor care le vinde cu certificat bio.

Seara, in special, simt nevoia sa mananc salata cu ceva gatit si aici intra in rol cartofii copti, de cateva zile imi era pofta sa mananc. Super usor de pregatit, nu pot spune ca si rapid pentru ca au stat la cuptor o ora, dar se pot face din timp si pregati altele intre timp pana sunt gata. 

Cum i-am pregatit? Foarte simplu : intr-o tava am pus cartofii mici (aici se gasesc unii speciali pentru copt ) spalati si cu coaja, i-am intepat doar cu furculita sa se patrunda aromele. Apoi am pus pe deasupra putin ulei de masline (totdeauna presat la rece, prin proceduri mecanice), sare grunjoasa, piper macinat, foi de dafin, praf de ardei rosu, praf de ardei cayenne (atentie ca e picant, puneti doar f.putin), oregano, rozmarin, cativa catei de usturoi zdrobiti. Am amestecat totul bine cu mainile ca toti cartofii sa se patrunda pe toate partile si i-am dat la cuptor pentru o ora la 170 grade.

Nici nu va spun cat de bine imi cade la stomac, in special seara, ma satura si in acelasi timp ma simt usoara. Nu avem nevoie de prajeli si mancaruri grele inainte de culcare ( si nici in timpul zilei de fapt) iar corpul nostru ne multumeste! 😉